composição de BDI

A composição de BDI faz parte do processo de cálculo do preço da obra.

É a relação entre a despesa indireta da obra e seu custo. É uma comparação do orçamento das despesas indiretas com o orçamento do custo de produção da obra. Um indicador de desempenho que informa o ônus do suporte técnico e administrativo sobre o custo para produzir os serviços da obra.

Na orçamentação, a taxa de BDI é usada para a criação de um coeficiente multiplicador que calcula o preço da obra com base na estimativa de custo. Funciona como uma margem bruta aplicada sobre o custo, que é composta por parâmetros que incidem sobre o custo e sobre o preço.

O livro Manual de BDI, de autoria de Mozart Bezerra da Silva, define os componentes da taxa de BDI a serem utilizados nos orçamentos internos de empresas construtoras. Esta taxa de BDI personalizada insere no orçamento os gastos que não se deseja discriminar explicitamente na planilha orçamentária, que podem ser chamados de: 

  1. Administração Local
  2. Administração Central
  3. Contingências
  4. Despesas financeiras
  5. Despesas tributárias
  6. Despesas comerciais
  7. Benefícios

A taxa de BDI é a equação econômica do contrato da obra, que torna possível o reequilíbrio econômico financeiro do preço, quando o prazo de execução da obra é alterado ou quando ocorrem mudanças imprevisíveis durante a execução da obra.

Composição de BDI de construtoras

Despesa de Administração Local

O orçamento da Administração Local é a provisão de recursos para financiar a parte dos gastos da estrutura técnica e administrativa de suporte à execução da obra que será implementada no canteiro de obras. Ele depende da estratégia interna da empresa construtora, que pode alocar mais ou menos recursos no local da obra ou em sua sede, buscando garantir o melhor resultado geral.

A Administração Local é composta por pessoal técnico e administrativo, veículos e equipamentos administrativos, consumos de naturezas diversas, distribuídos entre as obras em execução simultânea na empresa. A despesa depende do prazo de execução e é bastante variável. Uma obra próxima a sede pode ter uma administração local pequena, enquanto uma obra de maior porte longe da sede da empresa pode ter uma maior estrutura local.

Este item não é incluído na composição de BDI apresentada na licitação de obras públicas. 

Despesa de Administração Central

O orçamento da Administração Central é a provisão de recursos para financiar a parte dos gastos da estrutura técnica e administrativa de suporte à execução da obra que ficará centralizada na sede da empresa construtora. Define-se como cada obra contribuirá para o pagamento das despesas centralizadas. Estabelece-se uma contribuição total para o contrato e a verba mensal a ser provisionada durante o prazo da obra.

A Administração Central é composta por pessoal técnico e administrativo, veículos e equipamentos administrativos, consumos de naturezas diversas necessários para a gestão empresarial, a viabilização de negócios, o planejamento e orçamento das obras e a participação em licitações e contratação de obras, entre outras atividades.

Contingências

A estimativa do custo da obra e dos gastos administrativos e financeiros é efetuada sempre em condições normais de execução.

A provisão para Contingências é o componente da taxa de BDI responsável por compensar os riscos da empresa construtora. Neste item deve ser estimado o impacto de ameaças potenciais que podem acontecer durante a obra, o custo de seguros e garantias que são fornecidas ao contratante. O risco será identificado e aceito numa postura ativa da construtora, onde se embute no preço uma reserva para reduzir ou anular prejuízos com fatores incertos que não sejam causados pela construtora.

Num primeiro momento somam-se os prêmios de seguro que serão efetuados. Em seguida, soma-se o total obtido à verba definida para a cobertura de ações específicas de resposta aos riscos. Obtém-se o valor da verba de Contingências em R$. Dividindo-a pelo Custo Direto, define-se a taxa de Contingências a utilizar nas fórmulas de BDI.

Despesas financeiras

As despesas financeiras são as despesas que a construtora tem para financiar a execução da obra, em algumas destas situações:

A empresa construtora tem capital próprio investido que precisa retirar da aplicação bancária para financiar a obra, perdendo a remuneração de seus recursos financeiros internos;
A empresa construtora precisa fazer empréstimos bancários para financiar a execução da obra, pagando juros elevados a instituições financeiras;
As faturas a serem cobradas não têm seus valores corrigidos mensalmente pelo índice de inflação, enquanto os custos aumentam continuamente. O reajuste anual gera prejuízo financeiro ao se comparar o fluxo de caixa real com a previsão de receitas e despesas efetuadas no momento do orçamento;
Atrasos de pagamento;
Retenções ou cauções sobre o preço.

Despesas tributárias

Deverão ser incluídos no orçamento o ônus dos impostos municipais e federais que incidem sobre a receita do contrato da obra:

  • COFINS – Contribuição para Financiamento da Seguridade Social
  • PIS – Programa de Integração Social
  • ISS – Imposto sobre Serviços

A adoção dos impostos será efetuada no sistema de lucro presumido.

O ISS – Imposto sobre Serviços é municipal, com alíquotas diferentes para cada município onde a obra será executada.

O orçamentista deve trabalhar com uma estimativa de lucro líquido. O ônus dos impostos que incidem sobre o lucro da empresa construtora deve ser considerado nos orçamentos internos da construtora:

  • IRPJ – Imposto de Renda da Pessoa Jurídica
  • CSLL – Contribuição Social sobre o Lucro Líquido

Benefícios na composição de BDI

Entende-se por Benefícios, a inclusão no preço de verba ou provisão para “ajudar” o construtor a cumprir integralmente suas obrigações contratuais.

Os Benefícios tornam possível a justa remuneração da obra, ao mesmo tempo em que motivam o construtor. Ciente das muitas dificuldades a serem superadas para que a obra seja entregue nas condições preestabelecidas de custo, prazo e qualidade, a empresa contratante concorda em embutir uma “folga” no preço, ou seja, em trabalhar com uma margem de segurança.

O Benefício pode ser chamado de bonificação ou de lucro.

O lucro orçado é a meta de remuneração da empresa construtora. Uma quantidade de moeda embutida no preço teoricamente não comprometida com o pagamento de nenhum custo ou despesa prevista para o contrato.

Despesas comerciais

É a despesa para a divulgação da empresa construtora no mercado. Envolve o pagamento de anúncios, viagens comerciais, brindes e despesas afins e, eventualmente, o pagamento de comissões de um representante comercial.

Este item não é incluído na composição de BDI apresentada na licitação de obras públicas.

Personalização da composição de BDI para construtoras

Leia outros postas no site mozart.eng.br.

Textos relacionados: Seis armadilhas na taxa de BDI de obras públicas.

Uma entrevista em vídeo com o professor Mozart sobre BDI.