Engenharia da Lucratividade: definição e ementa para 360 horas

O objetivo deste texto é apresentar a visão da MBS Engenharia sobre a Engenharia da Lucratividade, no formato de uma ementa de curso de pós-graduação de 360 horas. Representa o conteúdo de referência que o professor Mozart Bezerra da Silva reúne para preparar cursos de desenvolvimento e reciclagem profissional presenciais e à distância.

De posse desta visão macro, os alunos MBS têm mais condições de avaliar os conteúdos individuais que são propostos nos treinamentos, comparando-os com o conteúdo geral que serve de meta para o professor.

1 – Considerações sobre a Engenharia da Lucratividade

A lucratividade é o melhor indicador para o monitoramento e o controle do desempenho em todas as fases do ciclo de vida de um empreendimento de construção civil. Esta ideia está embutida na própria definição de Engenharia. Mas se isso não parece assim tão claro, por que não tornar mais explícita a denominação da Engenharia, chamando-a de “Engenharia da Lucratividade”?

Sabe-se que a Engenharia é a ciência ou a arte de aplicar conhecimentos de Física e Matemática sobre os materiais e as forças da natureza a fim de produzir riqueza em benefício da humanidade. As leis científicas são aplicadas para a construção de estruturas estáticas (obras de construção civil, por exemplo) ou estruturas dinâmicas (máquinas, por exemplo) com o objetivo de obter os melhores resultados econômicos, entre eles: menores custos de construção, distribuição, operação e manutenção; aliado a um alto nível de segurança, pois a obra não pode ruir nem a máquina explodir.

A Engenharia é aplicada em diversas áreas de conhecimento, sempre em conjunto com os conhecimentos de Economia, entre elas: a engenharia aeronáutica, civil, de produção, de software, de alimentos, elétrica, eletrônica, genética, hospitalar, industrial, legal, mecânica, naval, nuclear e química. A Economia insere na Engenharia os conceitos de benefícios, criação de riqueza, análise de custos, gerenciamento de riscos e lucratividade, entre outros.

A expectativa de lucratividade precisa ser estimada logo no início do processo de construção, no Estudo de Viabilidade e, se considerada interessante, é a responsável pela tomada da decisão de empreender ou construir. Durante a elaboração do projeto, a meta de lucratividade acaba interferindo na definição do escopo da obra, em especial no nível de acabamento e na quantidade de equipamentos e instalações que farão parte da construção. O custo só poderá ser superior à estimativa inicial se a estimativa de receita também tiver aumentado.

Durante a execução da obra, alterações de escopo, prazos, inflação, juros, entre outras, alteram continuamente a expectativa de lucratividade ao final. Apesar de alguns fatores não serem monitoráveis pelo empresário, outros podem ser de alguma forma controlados para aumentar as chances de se obter a meta de lucratividade preestabelecida. Caso a construtora não seja responsável por alterações imprevisíveis observadas no processo construtivo, poderá exigir o reequilíbrio econômico-financeiro, pleiteando um valor extra para garantir o recebimento da lucratividade inicial. Ou seja, a lucratividade é sempre o parâmetro direcionador.

É difícil imaginar a Engenharia sem a possibilidade de calcular a relação entre o custo e o benefício de suas soluções. Alguém chegou a definir Engenharia como: “A arte de não construir o que é desnecessário, de fazer algo tão bom com um dólar, quanto um indivíduo obtuso pode fazer com dois, de uma maneira ou de outra”.

A Engenharia da Lucratividade trata com mais objetividade os temas da Engenharia Econômica e a Engenharia de Custos, em nossa opinião.

A Engenharia Econômica foca na fase da viabilização do empreendimento, embutindo conhecimentos de engenharia nos processos financeiros estratégicos para a tomada de decisões empresariais, construindo modelos quantitativos para a gestão de custos e riscos. A denominação de Engenharia Financeira ficou reservada ao Mercado de Capitais.

A Engenharia de Custos foca na orçamentação do projeto, obra ou serviço de Engenharia, aplicando conhecimentos dos processos de engenharia na contabilidade de custos, de modo a obter a composição detalhada do preço.  Trata do custeio dos recursos, das atividades e das tarefas do projeto, da estrutura de custos nas aquisições, de negociações com fornecedores baseadas em custos, da administração de pleitos e contratos e da implementação de estratégias de redução de custos em projetos.

A Engenharia da Lucratividade seria uma Engenharia Econômica aplicada também sobre a fase de projeto e construção, misturada com o detalhamento da Engenharia de Custos aplicado a alguns aspectos da viabilização e da lucratividade do contrato de empreitada e do empreendimento imobiliário.

2 – Curso de pós-graduação de 360 horas

Segue o esboço de uma minuta de curso de pós graduação de 360 horas, com a seleção de disciplinas e sugestão de suas cargas horárias.

2.1 – TÍTULO DO CURSO

Engenharia da Lucratividade na Construção Civil.

2.2 – JUSTIFICATIVA

A proposta deste curso de pós-graduação se justifica pelo fato dos cursos de graduação de Engenharia Civil e de Arquitetura não incluírem em seus programas disciplinas nas áreas de Economia, Finanças e Gerenciamento de Projetos.

Este fato é percebido pelo perfil dos participantes nos cursos rápidos de formação continuada de “Planejamento de Obras” e “Orçamento de Obras”, ministrados mensalmente em São Paulo nos últimos 27 anos. São estudantes, profissionais recém-formados e profissionais experientes que desejam se capacitar na área de Planejamento e Orçamento de Obras, e que relatam que não tiveram este ensino nas faculdades de Arquitetura e Engenharia.

Sabe-se que os profissionais que elaboram estudos de viabilidade e serviços de planejamento e orçamento de obras, foram se desenvolvendo durante os vários anos de atividade. Muitos deles não fazem uso das melhores práticas, justamente por falta de embasamento teórico. Surge a oportunidade de oferecer aos recém-formados e profissionais de pouca experiência a possibilidade de se capacitar rapidamente para colaborar com a formação da estratégia e das ações táticas das empresas construtoras e incorporadoras de imóveis. A especialização nesta área tem, em nossa opinião, potencial para a conquista de melhores funções e salários.

Refletindo nas discussões desenvolvidas sobre a proposta da “Engenharia da Lucratividade”, foi possível refinar o programa do curso de pós-graduação, a partir das seguintes constatações, entre outras:

  1. O nome “Engenharia da Lucratividade”, bastante amplo, envolve o conceito de Engenharia e a ideia geral de lucratividade, conduzindo o pensamento para a macroeconomia, para as estratégias da busca de inovação e da criação de riqueza;
  2. O público-alvo visualizado seria de profissionais experientes buscando um refinamento profissional; tal como, por exemplo, o curso de pós-graduação promovido pela FGV e divulgado pelo Sinduscon SP;
  3. Seria interessante uma abordagem mais genérica, não se restringindo o assunto à área da construção civil.

Nossa proposta consiste em oferecer uma pós-graduação para profissionais novos ou experientes que estejam ingressando na área de planejamento e orçamentação da construção civil.

Propomos um aprofundamento nas áreas de gerenciamento do tempo e dos custos dos projetos de construção civil (considerando os aspectos empresariais, como sugerido), a mudança do nome do curso e um refinamento no programa anteriormente apresentado.

Aguardamos um retorno sobre a viabilidade da oferta do curso nos moldes apresentados neste texto. Não acredito ter chegado no ponto ideal do dimensionamento das disciplinas, e fico à disposição para esclarecimentos e complementações.

2.3 – OBJETIVOS

O objetivo da especialização consiste em capacitar Engenheiros e Arquitetos a viabilizar negócios de construção, a desenvolver planejamentos, a elaborar orçamentos de obras e a controlar prazos e custos durante o andamento da obra.

2.4 – EMENTA

O curso apresenta disciplinas de Engenharia Econômica, Engenharia de Custos, Contabilidade e Gerenciamento de Projetos, entre outras, organizadas nos seguintes temas:

  • Técnicas e ferramentas matemáticas – Banco de Dados e Modelos de cálculo com MS Excel. Avaliação de Projetos de Investimento. Estimação: Estimativa da média e margem de erro. Criação aleatória de cenários. Método AHP: Criação de indicadores para análises qualitativas.
  • Viabilidade Empresarial – Direito Comercial. Direito Administrativo. Serviços de Arquitetura e Engenharia. Certificação Empresarial na Construção Civil. Metodologia de Pesquisa. Contabilidade: Análise das Demonstrações Financeiras. Planejamento Estratégico e Marketing na Construção Civil.
  • Viabilidade de obras e empreendimentos –Viabilidade Técnico-Econômica. Estimativas de Custos. Engenharia de Avaliações. Viabilidade de Empreendimentos: Sistemas Preço Fechado e Locação/Renda, Sistemas MCMV e Preço de Custo. Análise Econômico-Financeira de Contratos de Empreitada.
  • Planejamento de Obras – Gerenciamento do Escopo. Gerenciamento do Tempo. Gerenciamento de Riscos.
  • Orçamento de Obras – Contabilidade de Custos. Engenharia de Custos: Composições Unitárias e Taxa de BDI. Orçamento de Obras: Quantificação dos Serviços e Relatórios.
  • Processos de Monitoramento e Controle – Modelagem BIM. Construção Enxuta. Monitoramento e Controle dos Prazos. Monitoramento e Controle dos Custos. Reivindicações: Reequilíbrio Econômico-Financeiro de Contratos

2.5 – CARGA HORÁRIA E DURAÇÃO

360 horas-aula em 18 meses

2.6 – PÚBLICO-ALVO

Profissionais graduados em Engenharia e Arquitetura, recém-formados desejando complementar sua graduação ou profissionais experientes desejando se especializar na viabilização de negócios e no gerenciamento de prazo e de custos na construção civil.

2.7 – PERFIL DO ESPECIALISTA A SER FORMADO

Um profissional conhecedor do perfil econômico e financeiro das empresas incorporadoras e construtoras de construção civil, apto a selecionar as melhores opções de negócios disponíveis no mercado e a aumentar significativamente a chance de obtenção da lucratividade e rentabilidade preestabelecidas.

3 – Módulos de ensino

O curso é composto pelos seguintes módulos:

3.01 Aula Inicial

Carga horária: 12h

Ementa: Apresentação da escola. Apresentação do curso aos alunos. Pesquisa sobre o perfil e os interesses específicos dos alunos. Integração da turma.

3.02 Banco de Dados e Modelos de cálculo com MS Excel

Carga horária: 12h

Ementa: Funções financeiras e estatísticas. Tabela Dinâmica. Funções de Banco de Dados. Visual Basic (VBA). Construção de modelos de cálculo.

3.03 Avaliação de Projetos de Investimento

Carga horária: 12h

Ementa: Equivalência do dinheiro no tempo: Juros Simples e Compostos, Fluxo de Caixa. Evolução de Preços, Moeda, Inflação. Depreciação e Amortização. Planos de Empréstimos e Financiamentos. Princípios de Avaliação. Método do Valor Presente Líquido. Outros Métodos de Valor Equivalente. Método da Taxa Interna de Retorno. Outros Métodos com Taxa de Retorno. Seleção de Projetos de Investimento. Fluxo de Caixa Incremental. Análise e Avaliação das Estimativas de um Projeto. Custo de Capital.

3.04 Estimação e Criação Aleatória de Cenários

Carga horária: 18h

Ementa: Dados, populações e amostras. Medidas de tendência central e de dispersão. Probabilidade. Distribuições Discretas e Contínuas. Estimação: Estimativa da média e margem de erro. Regressão Linear. Análises probabilísticas. Valor Esperado. Técnica PERT. Números aleatórios. Distribuições de probabilidade. Método de Monte Carlo.

3.05 Método AHP: Criação de indicadores para análises qualitativas

Carga horária: 6h

Ementa: Hierarquia e Prioridades. Processo de Medidas e Julgamentos. Composição hierárquica de prioridades. Matrizes recíprocas positivas e seus Autovalores. A prioridade como Autovetor no cálculo matricial. A relação de consistência dos dados.

3.06 Direito Comercial e Administrativo

Carga horária: 12h

Ementa: Tipos de Empresa e Regimes de Tributação. A estrutura empresarial de profissionais liberais e empresas. Planejamento Tributário. Modalidades de Contratos de Serviços, Obras e Empreendimentos de Engenharia e Inovação. Contratos no âmbito da construção civil: Incorporação a Preço Fechado, Incorporação a Preço de Custo, Incorporação para Locação/Renda, Contrato de Empreitada de Obra, Contrato de Administração de Obra. Tipos de sociedades empresariais: limitadas, anônimas, SPE e SCP. Tipos de contrato: empreitada, “turn-key”. Regras para a Incorporação e contratos imobiliários. Conhecer o processo de licitação de obras públicas, visando o preparo de licitações ou a elaboração de propostas técnicas e comerciais em contratos administrativos. Apresentar a concessão de serviços públicos e as parcerias público-privadas.

3.07 Preços de Serviços de Arquitetura e Engenharia

Carga horária: 6h

Ementa: Serviços de Arquitetura. Serviços de Engenharia. Tabelas de Preços.

3.08 Certificação Empresarial na Construção Civil

Carga horária: 6h

Ementa: Selos da Construção Sustentável: LEED, AQUA, DGNB, CASA AZUL, PROCEL, EDIFICA, QUALIVERDE, SUSTENTAX, PBQP-H SiAC: Programa Brasileiro da Qualidade e Produtividade do Habitat (qualidade, gestão e organização da produção). Gestão de qualidade ISO 9001 (2008 x 2015) e gestão ambiental ISO 14001 ABNT, NBR ISO 9001:2015 Norma de Desempenho NBR 15575. Relação custo/benefício.

3.09 Metodologia de Pesquisa

Carga horária: 12h

Ementa: Introdução à Pesquisa científica. Elaboração de trabalhos acadêmicos.

Etapas de um projeto de pesquisa. Pesquisa Qualitativa.

3.10 Contabilidade: Análise das Demonstrações Financeiras

Carga horária: 12h

Ementa: Fundamentos da análise contábil. Demonstrativos Contábeis. Balanço Patrimonial. Lucratividade e Rentabilidade. Análise Vertical. Análise Horizontal. Análise por Quocientes.

3.11 Planejamento Estratégico e Marketing

Carga horária: 24h

Ementa: Posicionamento da empresa no mercado: Tipo de empresa, Tipo de contrato, Expertise, Capital de giro e a possibilidade de captação de recursos financeiros. Construção de protótipos ou planos de negócios. Relação Custo/Volume/Lucro: Estimativa de custos variáveis. Estimativa de custos fixos. Projeção da receita em função do volume de vendas. Ponto de Equilíbrio. Avaliação da viabilidade econômica. Estratégia de marketing. Táticas/Ações de Marketing.

3.12 Viabilidade Técnico-Econômica

Carga horária: 12h

Ementa: Programa de Necessidades. Estimativas de Custos. NBR 12.721. Decomposição top/down. Estudo de massa. Planejamento Estratégico. Estimativas de Receitas. Linha de Balanço

3.13 Engenharia de Avaliações

Carga horária: 12h

Ementa: Introdução à Avaliação e Perícias de Engenharia. Avaliações de Imóveis Urbanos. Inferência Estatística aplicada à Avaliação de Imóveis Urbanos. Avaliações de Alugueis. Avaliações de Máquinas e Equipamentos. Técnicas de Redação e Elaboração de Laudos. Direito e Engenharia Legal.

3.14 Análise Econômico-Financeira de Contratos de Empreitada

Carga horária: 12h

Ementa: Técnica do Valor Agregado: Medição do serviço executado. Curvas S: Receita Planejada, Receita Realizada, Despesa Real. Conjunto de Indicadores de Desempenho de prazo e custos. Evolução de preços de insumos. Evolução dos juros no mercado. Cronograma Físico-Financeiro. Construção do Fluxo de Caixa. Despesa financeira de contratos de empreitada: inflação dos insumos e financiamento do contrato. Avaliação da lucratividade com os indicadores de desempenho da NBR 14.653-4. Comparação previsto x realizado.

3.15 Viabilidade de Empreendimentos Imobiliários

Carga horária: 24h

Ementa: Estudo Estático. Estimativa de Custo NBR 12.721. Projeção de Receitas (Preço x Velocidade de Vendas x Condição de pagamento). Simulação do Fluxo de Caixa. Interpretação do Fluxo de Caixa. Indicadores NBR 14.653-4. Pesquisa Mercadológica. Sistemas Preço Fechado e Locação/Renda, Sistemas MCMV e Preço de Custo.

3.16 Gerenciamento do Escopo

Carga horária: 12h

Ementa: Planejamento do gerenciamento do escopo. Requisitos do Projeto. Definição do escopo: Área construída, Método Construtivo (diferentes custos e prazos), nível de acabamento. Definição dos equipamentos e instalações do projeto e seus diferentes custos. A consideração dos custos de operação e manutenção. Estrutura Analítica do Projeto (EAP).      Controle Integrado de mudanças: Recebimento e aprovação dos serviços executados. Medição dos Serviços. Atualização da Documentação Técnica do Projeto.

3.17 Gerenciamento do Tempo

Carga horária: 12h

Ementa: Estrutura Analítica do Projeto. Decomposição da obra/empreendimento. Rede de Precedências. Estimativas de duração. Restrições. Técnicas de Planejamento: Linha de Balanço. Método do Caminho Crítico (CPM). Método da Corrente Crítica. Ilustração do uso do Software MS Project.

3.18 Gerenciamento de Riscos

Carga horária: 12h

Ementa: Identificação, Priorização e Respostas aos Riscos. O monitoramento contínuo dos riscos nas fases de viabilização, planejamento e execução. A lucratividade diante dos fatores imprevisíveis.  O contingenciamento de tempos e custos no planejamento e na orçamentação.

3.19 Contabilidade de Custos

Carga horária: 12h

Ementa: Apuração do Custo dos Recursos. Apuração do Custo Unitário dos Produtos. Custeio por Absorção. Custeio ABC. Custo Padrão e Custo de Reposição. Custos Ambientais, Custos da Qualidade, Ociosidade e Produtividade. Contabilidade de Ganhos da Teoria das Restrições. Custeio-Meta, Custo do Ciclo de Vida e Custeio Kaizen. Custeio do Fluxo de Valor (Lean Accounting). Formação de Preços de Venda. Introdução à Precificação.

3.20 Engenharia de Custos: Composições Unitárias e Taxa de BDI

Carga horária: 24h

Ementa: Normas de execução de serviços de engenharia. Especificação de insumos em obras de engenharia. Preço Orçamentário do Insumo. Composições de Consumo/Custo/Preço Unitário de Serviços de Arquitetura e Engenharia. Taxa de Encargos Sociais. Tabelas formais de custos unitários. Orçamento das Despesas Indiretas: Administração Local. Administração Central. Despesas Financeiras. Contingências. Despesas Tributárias. Conceito de Benefícios, Bonificação e Lucro. Cálculo da Taxa de BDI em contrato de empreitada. Taxa de “Administração”.

3.21 Orçamento de Obras: Quantificação de Serviços e Relatórios

Carga horária: 12h

Ementa: Estudo da documentação técnica e projetos. Estrutura Orçamentária. Quantificação dos Serviços (Formulários, Tabela Dinâmica, BIM). Montagem do Orçamento. Relatórios do orçamento.

3.22 Modelagem BIM

Carga horária: 12h

Ementa: Estágio atual da Modelagem da Informação na Construção Civil. Elaboração de estudos de massa e estimativas de custos. A compatibilização dos projetos da obra em CAD 3D. O cálculo instantâneo das quantidades de serviços de construção. O vínculo das peças projetadas com a rede de precedências das atividades da obra e com o orçamento. Principais softwares BIM.

3.23 Construção Enxuta

Carga horária: 12h

Ementa: Métodos de produção. Princípios básicos da Construção Enxuta. Planejamento e Controle da Produção. Planejamento de Longo, Médio e Curto Prazo. Método Last Planner. Indicador PPC. Solução de problemas ou interrupções.

3.24 Monitoramento e Controle dos Prazos e Custos

Carga horária: 24h

Ementa: Referencial de desempenho para escopo, tempo e custos. Sistemas de gerenciamento de prazos e custos: técnicas, softwares e nível de detalhamento do monitoramento. Construção de modelos de monitoramento e controle: Criação de gráficos, dashboards, seleção de indicadores de desempenho, criação de formulários e relatórios para o acompanhamento contínuo do desempenho.

3.25 Reivindicações: Reequilíbrio Econômico-Financeiro de Contratos

Carga horária: 12h

Ementa: Fundamentação jurídica para a revisão do preço. Teoria da Imprevisão. Equilíbrio Econômico do contrato. Equilíbrio Financeiro do contrato. Fatores de Desequilíbrio. Revisão do preço de contrato de empreitada. Reequilíbrio econômico-financeiro do contrato. Elaboração de Laudo Técnico.

4 – Conclusão

Parte deste programa já está contemplado no Plano de Treinamento “Engenharia da Lucratividade” da MBS Engenharia, composto por 4 cursos de treinamento e carga horária de 48 horas.

Consulte os programas dos cursos em mozart.eng.br.