Gerenciamento de Riscos na Construção Civil

Este post apresenta a visão sobre gerenciamento de riscos na construção civil do professor Mozart Bezerra da Silva, aplicada em seus cursos de treinamento e nos serviços de consultoria da empresa MBS Engenharia.

O gerenciamento de riscos consiste no estudo do que se pode fazer hoje para reduzir a chance de uma ameaça ocorrer amanhã, ou para reduzir o impacto negativo desta ameaça no caso de sua ocorrência. Considerando também o lado positivo, é o estudo do que se pode fazer hoje para aumentar as chances de uma oportunidade acontecer e, caso aconteça, maximizar os seus benefícios.

Detalhando um pouco mais o conceito, o gerenciamento de riscos é um conjunto de ações práticas de natureza preventiva, a ser efetuada na fase de viabilização, na fase de planejamento e orçamento ou no início da fase de execução da obra, para tratar os problemas potenciais do processo construtivo, ou, em última análise, para tratar sistematicamente as incertezas.

Gerenciamento de riscos
Conceituação de Incerteza

Os riscos surgem das incertezas relacionadas com o cliente, o solo, o projeto, o planejamento, o orçamento, a execução, os fenômenos da natureza, entre outros aspectos. Quando as coisas não são certas, elas passam a ser apenas prováveis.

gerenciamento de riscos
Conceituação de riscos

Os riscos envolvem a ideia de perigo e impacto negativo nas metas de custo, prazo e qualidade preestabelecidas para a obra.

As ações preventivas do gerenciamento dos riscos deverão resultar no contingenciamento de tempo na rede de planejamento do projeto e no contingenciamento de custos no orçamento, além de uma reserva de tempo e custo mais genérica, para enfrentar as ameaças a serem causadas pelos riscos desconhecidos ou residuais.

Processo de gerenciamento de riscos
Processo de Gerenciamento de Riscos (PMBOK)

O processo de gerenciamento de riscos é composto por 5 etapas:

  1. Fazer o planejamento geral do gerenciamento de riscos do projeto (nível de detalhamento, nível de recursos disponíveis, nível de controle).
  2. Identificar os problemas potenciais (experiência dos gerentes, contribuição do conhecimento de toda a equipe).
  3. Avaliar quais são as ameaças mais fortes.
  4. Planejar as respostas a serem dadas para os principais riscos identificados.
  5. Monitorar e controlar o andamento da obra, pois novos riscos podem surgir, ou riscos existentes podem mudar de intensidade.

É interessante considerar que não há muito sentido em pensar em gerenciamento de riscos quando não se está preocupado com o gerenciamento profissional do projeto. Os processos de viabilização, planejamento e orçamentação da obra reduzem violentamente a incerteza e a tornam gerenciável. O gerenciamento dos riscos é apenas a ação preventiva complementar.

Como você avalia o seu nível de percepção sobre riscos e oportunidades?

Outras informações sobre o tema

Caso deseje maiores informações, comente o tópico de seu interesse neste post e cadastre-se através do formulário de contato do site mozart.eng.br .

Estamos produzindo e-books gratuitos com mais informação e podemos enviar os links para você, de acordo com seus interesses, tão logo estejam finalizados (alguns já estão).

Também produzimos cursos presenciais e cursos à distância relacionados à este tema. As divulgações são efetuadas através do site mozart.eng.br .

Leia nossa dissertação de mestrado sobre este tema.

Leia artigo comentando a prática de gerenciamento de riscos.